in Sexualidade

Os perigos da pornografia

at
os-perigos-da-pornografia

A fascinação e o desejo que levam a não resistir às tentações estão presentes em nosso cotidiano, seja no trabalho, metrô, ônibus, casa, enfim, em todo o nosso contexto social. Muitas das vezes, nossos impulsos imorais e de cunho sexual (tais como a masturbação e o consumo de pornografia) são frutos de uma gama de informações somatizadas e armazenadas em nosso subconsciente, de forma que a mulher vestida com minissaia ou calça legging transparente no ônibus na volta do trabalho pode ser um gatilho para a masturbação cometida no banho enquanto se pensa em um filme pornô assistido no dia anterior.

Desde a história de Salomão relatada na Bíblia, aonde o rei, extremamente rico e sábio possui 700 mulheres e 300 concubinas, tem-se a impressão de que a pornografia e a imoralidade sexual são práticas restritas à homens; entretanto, não é bem assim. Embora a pornografia tradicional tenha sido criada por homens e para homens, com conteúdo completamente obsceno e explícito, a pornografia tem também tomado novas roupagens e abrangendo o público feminino, com um toque romântico e/ou dotada de elementos atrativos e sedutores às mulheres. Mas não fica somente nisso. Assim como os homens, depois de viciadas, elas consomem material pesado, como zoofilia, pedofilia, tortura, etc, para obter maior prazer. E, assim, chegam na fase da dessensibilização, onde valores morais são perdidos e o que era visto como repulsivo, ilegal, torna-se comum e com o tempo, algumas pessoas passam a colocar em prática.

Engana-se quem pensa que as mulheres são novatas no consumo de pornografia. A novidade é que elas apenas estão se expondo mais, uma vez que antes, mais omissas, mantinham-se reservadas devido à fama da pornografia (coisa de homem). E com o crescimento do consumo de material pornográfico, por ser moralmente e socialmente aceito, a vergonha e o pudor entre as mulheres tem diminuído, e elas têm aparecido cada vez mais nas estatísticas e em fóruns anti-pornografia, espalhados pelo mundo.

Todos nós somos bombardeados com pornografia todos os dias – é a atmosfera em que vivemos, bombardeio esse facilitado pelo nosso mundo gráfico e tecnológico, que possibilita o crescimento exponencial do consumo de pornografia, de forma a atingir não apenas adultos, mas também adolescentes e crianças. E conforme a imoralidade avança, o que antes era visto como errado, hoje é louvado e estimulado. Pessoas comuns produzem pornografia, consciente e inconscientemente. A moça que posta uma foto sensual nas suas redes sociais está produzindo pornografia. Uma pessoa que anda praticamente semi-nua está produzindo pornografia. Por isso, é de suma importância fugirmos desse bombardeio. Como podemos fazer isso? Evitando filmes/séries que contenham cenas de nudez/imorais, evitando a participação em redes sociais que têm o nível de pornografia elevado, como o Instagram, guardando nossos olhos, assim como Jó (Jó 31:1) em toda e qualquer situação, e em qualquer lugar. E, em relação às crianças, é dever dos pais as protegerem da pornografia, controlando o acesso à internet, TV, dentre outros, além de ensinando e instruindo no caminho certo, desde cedo.

Da mesma forma, a pornografia também não está restrita a homens e mulheres fora da igreja, mas atinge cada vez mais pessoas de dentro, que são expostas eventualmente ou frequentemente a materiais com esse cunho. Vale salientar que, nem sempre são expostas, muitas vezes os cristãos se expõem a situações indevidas, como participar de conversas imorais, assistir/ver nudez, frequentar lugares indevidos, cobiçar outras pessoas, alimentar pensamentos imorais, etc. E, a igreja, que deveria ser a primeira a combater o mal pecado, em grande parte está se silenciando. É dever da igreja orientar os membros, expor o pecado e revelar a verdade.

O problema tomou proporção tal, que vem gerando distúrbios psicológicos, tais como depressão e ansiedade, além de danos sérios à saúde física, como a disfunção erétil, que anteriormente acometia apenas homens mais velhos e maduros, vítimas de doenças como a diabetes e a esclerose múltipla, mas que atualmente tem acometido jovens sem nenhum outro problema de saúde, apenas o vício e a dependência do consumo de material pornográfico.

Boa parte do problema está na banalização da sexualidade proposta pela nossa cultura, que desfruta do sexo de forma a supervalorizá-lo e ao mesmo tempo subestimá-lo, quando coloca-o como sendo uma prática fundamental e apenas física, como forma de satisfação pessoal dos desejos. Entretanto, à luz da Bíblia e de evidências físicas (tais como os danos psicológicos que um estupro ou violência sexual acarretam na vida de uma pessoa), vemos que não está em pauta uma prática simplesmente física, aonde conectam-se apenas corpos, mas sobretudo, conectam-se almas. Antes, a sexualidade é um dom de Deus à raça humana, estabelecido com o propósito de propagação da espécie, além do deleite na prática quando desfrutada da forma correta e restrita ao casamento, conforme apraz o Senhor, caminhando junto com a espiritualidade, uma vez que Deus a criou para refletir a união espiritual entre Ele e a humanidade (Igreja), com a Igreja sendo a humanidade restaurada ao que ela devia ser.

De forma geral, o homem depravado tende a olhar sempre para si mesmo, visando os seus desejos e vontades. Entretanto, Jesus deixa bem claro quando diz: “Todo aquele que olha para uma mulher com desejo (Cobiça, luxúria…), já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mateus 5:28). É importante para você reconhecer que o que você está fazendo é errado, porque você não vai lutar bem a menos que você seja capaz de dizer: “Este é um inimigo mortal.” (Romanos 6:23)

Então, o que fazer após perceber a realidade da batalha que está lutando? Como tomar os pequenos passos na direção que resultará em verdadeira mudança?

Vá para Deus. Poucas palavras, mas as mesmas estão no centro de como se enfrenta o pecado. E não se esqueça de complementar sua luta com algumas dicas a seguir: Mude seus hábitos. Exemplo: Se ficar sozinho (a) por muito tempo, com celular ou computador, te leva a ter vontade ou a consumir material pornográfico, evite ficar sozinho (a) por muito tempo, enquanto navega na Internet. Use bloqueadores de pornografia, no computador e celular. Tenha alguém de sua confiança para “prestação de contas”, é sempre bom e ajuda muito. E prevenção, fuja de tudo que pode te levar a ter contato com a pornografia e/ou ter recaídas. A pornografia é o “novo” narcótico, ela destrói quem a consome, destrói relacionamentos, destrói famílias, destrói sua vida espiritual.

A boa notícia é que ela pode ser vencida, e que toda essa informação não é a palavra final. Deus tem a palavra final e “a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem o seu ouvido, agravado, para não poder ouvir.”mas, lembre-se que: “as vossas iniquidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça.” (Isaías 59:1-2)

Share:
Milena Daniele

Milena Daniele

Cristã protestante, calvinista, 19 anos. Pecadora graciosamente resgatada por nosso Senhor, apaixonada por livros e teologia.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *