Qual a maior declaração de amor que você já viu? Estamos numa Era onde tudo é visto, compartilhado, comentado e qualquer ato é viralizado em poucas horas. Há uns dias assisti a um vídeo em que o rapaz invade a sala de aula da namorada e a pede em casamento, com um buquê de flores enormes e um par de alianças maravilhoso, aquilo foi lindo e eu automaticamente pensei: “Está faltando homens assim hoje”.

Refletindo mais uns dias sobre o amor e sobre essas declarações que arrancam suspiros da maior parte das mulheres, comecei a pensar nos tipos de amor que existem e como podemos entendê-los. Percebo que quando falamos de amor, quase que instantaneamente, somos condicionados a pensar em romances, mas amor não é só isso. Aliás, amor não é isso.

Vivemos em um período que estudiosos chamam de “amores líquidos”, pois, as relações hoje duram o tempo de um vídeo ser compartilhado. Os amores secularizados se liquefazem e escorrem pelas mãos dos amantes insaciáveis e cada vez mais solitários. Não se sabe mais amar sozinho, é preciso ter sempre alguém ali do lado para que haja status de felicidade. Está errado, muito errado.

O maior ato de amor que conhecemos não aconteceu com flores, poesias, músicas, declarações românticas e aplausos; O maior ato de amor que já vimos não arrancou suspiros, não nos instigou a pensarmos “eu também quero fazer isso”. O maior ato de amor que aconteceu não foi entre um casal apaixonado que surpreende o outro com atitudes surpreendentes.

O maior ato de amor que foi feito não poderá jamais ser substituído por outro, ninguém jamais será capaz de realizar e demonstrar tamanho amor por alguém. Porque o maior ato de amor que já existiu foi feito na Cruz, por Alguém perfeito que carregou e sofreu por pessoas que não mereciam ser amadas. Cristo mostrou a todos nós o que significa amor, o que realmente significa amor. Numa cruz, lavado de sangue. Sacrifício.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu Seu filho unigênito para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16

É bom ter um relacionamento? É. É bom receber flores e declarações? É. Mas não esqueça, por favor, do que realmente é amor. E amor é sacrifício. É fácil amar quando recebemos coisas boas, quando estamos de bom humor, quando estamos no início da paixão, no primeiro ano de casamento. O amor real vem quando nos sacrificamos por alguém que não merece (e ninguém merece), quando nos casamos com alguém é importante enxergar as falhas e saber que nos casamos com um pecador, que necessita de perdão todos os dias.

Ao dizer que ama alguém é importante saber qual a causa do amor, se é conveniência pelo que ela pode te oferecer ou se é um ato de amor porque se dedica e cuida de alguém diariamente mesmo sem receber algo em troca.

Cristo deve ser o parâmetro para o amor, Ele é quem nos provou o que é amar alguém. Então, tenha em mente que se você deseja construir uma vida com alguém, , novelas e músicas, lembre-se que será preciso exercer misericórdia, piedade e sabedoria todos os dias de sua vida e, principalmente, por alguém que muitas vezes não merecerá isso.

Imagem: Mansano Fotografia

COMPARTILHAR
Karolaíne Ferraz

24 anos, sul-mato-grossense, mãe da Valentina, professora e Cristã. Defendo a feminilidade e família usando a Bíblia como manual de instruções obrigatório. Procuro enxergar flores nessa estrada cheia de pedras e regá-las em vez de arrancá-las.

RECOMENDAMOS


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here