Pensou mesmo que o meu coração iria continuar se ferindo e lutando por algo que o faz mais chorar do que o faz feliz? Até parece! Eu não sou o amuleto de ninguém e muito menos distração para a solidão. Já duvidei diversas vezes do meu valor, mas aprendi a pedir a Deus para que Ele me fizesse se ver como Ele me vê.

Não desisto do que amo por qualquer bobagem, não jogo tudo para o alto como se não me importasse. Não consigo ser assim e não gostaria de ser. Sou aquela que ama, mas que sabe o momento de lutar e não lutar, insistir e desistir, porque é preciso saber reconhecer o que vale ou não vale a minha luta.

Aprendi que o amor é paciente, mas não é burro. O amor luta pelo o que quer, mas sabe se retirar de onde não é bem-vindo. Aprendi também que, muitas vezes, deixar ir é o melhor a ser feito. As perdas, nem sempre são perdas, são apenas avisos de Deus de que coisas melhores estão por vir e que não devo me preocupar.

Estou sendo cuidada por Deus e isso me faz ter a certeza de que insistir no que não devo insistir, é abrir mão do ótimo para ficar apenas com o bom. E pode ser que o bom não seja bom de verdade. Sinto que se estou com Ele, não preciso ter medo do que poderá ou não partir, porque com Ele, o que fica é somente o verdadeiro.

Então, pensou mesmo que o meu coração continuaria tentando se encaixar onde não é bem-vindo? Até parece! Você e o seu orgulho que me deem licença, estou passando com Deus.

*O meu primeiro livro “Para a vida e para o amor: Uma boa conversa, por favor”, já está sendo vendido. Compre o seu clicando aqui.

RECOMENDAMOS


2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here